Eleição Individual, Eleição Corporativa e Arminianismo

Por Matthew Pinson

Há uma enxurrada de atividade no momento na comunidade teológica arminiana sobre a doutrina da eleição corporativa. Os expoentes desta visão são capazes e devem ser reconhecidos, tanto por calvinistas como por arminianos que enfatizam a natureza individual e pessoal da eleição para a salvação.

No entanto, quando ouvimos alguns discursos dos Arminianos, é quase como se a eleição corporativa fosse à visão arminiana. Então, estou oferecendo esse post não tanto para fazer um argumento para a natureza pessoal e individual da eleição de um ponto de vista Arminiano, mas para lembrar aos meus leitores que há outra visão entre os Arminianos em oposição à visão da eleição corporativa. Pode ser uma visão minoritária, mas há uma perspectiva com uma longa e distinta história entre os arminianos e outros não calvinistas: essa eleição para a salvação é pessoal e individual. E isso não é apenas uma visão Arminiana Reformada. Muitos intérpretes bíblicos fora do Calvinismo interpretaram as passagens sobre eleição de uma maneira mais pessoal e individual.

Para reflexão, separei e coloquei algumas declarações breves de alguns autores arminianos modernos que defendem essa perspectiva. Primeiro é uma breve declaração resumida de Robert Picirilli, seguida de uma declaração mais direta da doutrina de Jack Cottrell. Por fim, apresentei alguns comentários breves sobre Leroy Forlines sobre eleição individual e pessoal no contexto de sua interpretação de Romanos 9.

De Robert Picirilli, Grace, Faith, Free Will [1]:

Uma palavra de cautela se impõe [sobre o cristocentrismo da eleição]. Alguns arminianos fizeram esse ponto significar algo que Armínio nunca quis dizer. Shank, por exemplo, insiste que a eleição é “principalmente corporativa e apenas secundariamente individual: alguém se torna eleito apenas por vir a estar em Cristo” [2]. Se esta ideia for consistentemente pressionada, ela nega a eleição pessoal e passa a ser apenas uma eleição corporativa, a eleição do corpo de Cristo, a igreja. Armínio nunca sugeriu tal restrição. . . .

A eleição é pessoal e individual. Isto não é negar que existe tal coisa, na Bíblia, como eleição nacional ou eleição para funções específicas de serviço. Mas estas não são eleições para a salvação e, portanto, não estão diretamente envolvidas no assunto deste trabalho.

Alguns Arminianos, como já observamos, erram em fazer a eleição inteiramente corporativa, mesmo quando se referem à eleição para a salvação. Assim, Wiley fala de “predestinação de classes” [3], e Wynkoop observa que “o caminho da salvação é predestinado” [4]. Como já observamos, Shank fica muito perto disso quando fala de eleição como corporativa e apenas secundariamente pessoal. Como Jewett observa: “Na Bíblia, os eleitos geralmente são chamados como uma classe. . . . todavia, a implicação é simples. . . Que cada membro. . . participa, como indivíduo, na eleição desse povo “[5].

Assim, Armínio, como temos visto acima, definiu a predestinação como a eleição dos homens para a salvação e a reprovação deles para a condenação. E, na ordem dos decretos, o seu quarto incluiu a salvação e a condenação de “determinadas pessoas em particular”. Watson também indica que a eleição é “dos indivíduos para serem filhos de Deus e herdeiros da vida eterna” [6]. Assim, Wood está incorreto ao dizer que Arminío propôs “a eleição ou reprovação de classes específicas e não de indivíduos como tal” [7]. O que Armínio ensinou foi eleição de indivíduos como crentes, mas indivíduos não obstante.

Cottrell expressa corretamente à posição arminiana clássica quando enfatiza que a eleição é de pessoas, não apenas o plano. Ele cita passagens como Romanos 8:29, 30; 16:13; 2 Tessalonicenses 2:13; Efésios 1: 4, 5, 11; E 1 Pedro 1: 1, 2, apontando que, em alguns casos, as pessoas específicas são citadas entre os eleitos. Ele também observa que os nomes dos eleitos estão escritos no livro da vida (Apocalipse 17: 8, Lc. 10:20, etc.) [8]

De Jack Cottrell, “Eleição condicional” [9]:

Uma parte importante da cristandade nunca foi capaz de aceitar a eleição incondicional dos indivíduos como bíblica. Eles declaram que a Escritura simplesmente não ensina essa ideia, que parece ser injusta e arbitrária pela parte de Deus e parece levar ao pessimismo e ao quietismo da parte do homem. Muitos que se opõem a este conceito afirmando que a eleição é baseada em certas condições que qualquer um pode encontrar; E isso é a eleição de uma certa classe ou grupo, não a eleição de indivíduos específicos.

Esta visão é mantida por muitos arminianos e às vezes é considerado ser a visão arminiana sobre o assunto. Enfatizando o caráter corporativo da eleição, o Dr. H. Orton Wiley, o eminente teólogo nazareno, afirmou: “Eu mantenho, é claro, a predestinação das classes” [10]. Ele achou censurável dizer que “Deus determinou de antemão se alguns devem ser salvos ou não, aplicado aos indivíduos” [11].

Outro teólogo nazareno, Mildred B. Wynkoop, afirma que as teorias sobre a predestinação são a linha divisória entre o calvinismo e o arminianismo wesleyano [12]. Ela traça a origem da ideia de predestinação pessoal, particular e individual até Agostinho [13]. A teoria da predestinação de Armínio, ela diz, é exatamente o oposto: “As pessoas individuais não são escolhidas para a salvação, mas é Cristo quem foi designado como o único Salvador dos homens. O caminho da salvação é predestinado “[14].

Robert Shank, em seu livro, Eleito no Filho, apresenta uma visão semelhante. A eleição, ele diz, é principalmente corporativa e apenas secundariamente particular [15]. Os indivíduos se tornam eleitos apenas quando se identificam ou se associam ao corpo eleito [16]. Ele resume sua visão de eleição como “potencialmente universal, corporativa, em vez de individual, e condicional ao invés de incondicional” [17]. . . .

As opiniões que acabamos de discutir são esforços deliberados para apresentar uma alternativa bíblica à doutrina calvinista da eleição incondicional e individual. Tal alternativa é necessária, pois a visão calvinista como um todo é definitivamente contrária às Escrituras. No entanto, a eleição não se limita a uma “forma” ou a uma eleição de classe. A eleição bíblica para a salvação é, de fato, condicional, mas também é individual ou pessoal.

O elemento distintivo na eleição calvinista é sua natureza incondicional, não a sua individualidade. Somente o primeiro deve ser rejeitado; Rejeitar o último também é uma reação exagerada e uma distorção do próprio ensino da Bíblia. Qual é a doutrina bíblica da eleição? Conforme entendido aqui, é a ideia de que Deus predestina à salvação aqueles indivíduos que cumprem as condições graciosas que ele estabeleceu. Em outras palavras, a eleição para a salvação é condicional e individual [18]. . . .

Uma crença popular entre os não calvinistas é que “Deus predestinou o plano, não o homem”. As Escrituras, no entanto, mostram que são sempre pessoas predestinadas e não apenas um plano [19]. Isso é tão óbvio que dificilmente parece necessário mencioná-lo. Em Rom 8:29, 30 Paulo está falando de pessoas. As mesmas pessoas predestinadas também são chamadas, justificadas e glorificadas. Em 2 Tess 2:13, ele diz que “Deus os escolheu”, o povo cristão de Tessalônica, “para a salvação”. Efésios 1: 4, 5, 11 expõe a predestinação de Deus em relação ao seu plano, mas é especificamente indicado que Deus nos predestinou (pessoas) a adoção como filhos de acordo com seu propósito e plano.

A eleição, portanto, não se limita a um plano divino, mas também se aplica a pessoas. Mas isso se aplica a pessoas específicas? Indivíduos específicos são predestinados para a salvação? A resposta é sim. Nenhuma outra visão pode fazer justiça ao ensino bíblico em vários aspectos.

Em primeiro lugar, deve-se notar que a Bíblia geralmente fala de predestinação em termos que especificam indivíduos em particular. Muitas passagens se referem aos eleitos em geral, mas outras referências se concentram em pessoas específicas. Em Rom 16:13, Rufo é identificado como uma pessoa eleita. Em 1 Ped 1: 1, 2, o apóstolo cumprimenta os cristãos eleitos em certos locais geográficos específicos. Uma declaração muito clara da predestinação dos indivíduos para a salvação é 2 Tess 2: 13.

Aqui, Paulo diz aos irmãos tessalonicenses que “Deus os escolheu desde o princípio para a salvação”. Essa afirmação não pode ser generalizada e despersonalizada. Outro ponto que deve ser observado é que Apocalipse 17: 8 fala daqueles “cujo nome não foi escrito no livro da vida desde a fundação do mundo”. Esta é uma afirmação negativa; Mas não teria sentido dizer que os nomes de algumas pessoas não foram escritos no livro da vida desde o principio, a menos que existam outros cujos nomes foram escritos desde o principio.

Há um questionamento se os nomes podem ser apagados do livro da vida (ver Ex. 32:32, 33; Salmo 69:28; Ap 3: 5). Se assim for, estes não seriam os nomes escritos lá desde a fundação do mundo, mas aqueles que têm a posição, talvez, das sementes que brotaram em solo rochoso ou seco (Matt 13: 20-22). Aqueles que superam são especificamente prometidos que seus nomes não serão apagados (Ap 3: 5), e estes são, com toda probabilidade, os escritos desde a fundação do mundo.

Em qualquer caso, existem certos indivíduos cujos nomes estavam no livro da vida desde a fundação do mundo, e cujos nomes não serão apagados. Quem podem ser estes, exceto aqueles a quem Deus predestinou individualmente para a salvação? E o ponto aqui é que seus próprios nomes foram conhecidos por Deus desde o principio. Isso pode ser a predestinação individual? “Alegrem-se porque seus nomes estão escritos nos céus”! (Lucas 10:20).

Como é possível que Deus possa determinar, mesmo antes da criação, que os indivíduos serão salvos e possa até escrever seus nomes no livro da vida? A resposta é encontrada no fato e na natureza da presciência de Deus. A Bíblia relaciona explicitamente a predestinação com a presciência de Deus e uma compreensão correta dessa relação é a chave para toda questão da eleição para a salvação. Rom. 8:29 diz: ” Pois aqueles que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos”. Pedro aborda em sua primeira epístola para aqueles que são escolhidos de acordo com a presciência de Deus Pai “(1 Pedro 1: 1, 2). Em outras palavras, a presciência de Deus é o meio pelo qual ele determinou quais indivíduos devem ser conformados a imagem de seu Filho (em seu corpo ressurreto glorificado).

Afirmar que Deus tem pré-conhecimento significa que ele tem conhecimento ou cognição real de algo antes que aconteça ou exista na história. Este é o cerne irredutível do conceito, que não deve ser eliminado nem atenuado. Nada mais é consistente com a natureza de Deus [20]. Uma das verdades básicas da Escritura é que Deus é eterno. Isso significa duas coisas. Um, isso significa que quando o tempo é considerado como uma sucessão linear de momentos com um antes e um agora e um depois, Deus é infinito em ambas as direções. Ele já existia antes do infinito tempo passado (isto é, a eternidade) sem nunca ter começado, e ele existirá depois do agora em um futuro infinito (novamente, eternidade) sem fim.

“…de eternidade a eternidade tu és Deus.” ( Salmo 90: 2). Mas dizer que Deus é eterno significa mais do que isso. A eternidade de Deus não é apenas uma distinção quantitativa entre ele e sua criação. A eternidade também é qualitativamente diferente do tempo. Que Deus é eterno significa que ele não está limitado pelas restrições do tempo; Ele está acima do tempo. Em qualquer dado momento, o que é passado e futuro para uma criatura finita está presente no conhecimento de Deus. Isso tudo é agora para Deus, em uma espécie de panorama do tempo; Ele é o grande “EU SOU” (Êxodo 3:14).

Para ter uma ideia da majestade do Criador infinito e eterno, em contraste com a finitude de todas as criaturas, é preciso ler os desafios do Senhor aos falsos deuses e ídolos Em Isa 41-46. O que distingue Deus como Deus é que ele transcende o tempo e o vê do início a fim em um mesmo momento. Portanto, a “presciência” de Deus é realmente o seu soberano conhecimento eterno.

. . À luz da doutrina bíblica sobre a eternidade de Deus e a presciência, e a relação entre essa presciência e predestinação, deve ser evidente que a predestinação deve ser de indivíduos. Certamente, Deus pré-conhece todas as coisas sobre a vida de cada indivíduo. Ele não pode deixar de pré-conhecer, porque ele é Deus. Ele vê o escopo total do destino de cada indivíduo – mesmo antes da fundação do mundo [21]. . . .

Muitos arminianos afirmam a presciência de Deus e, ao mesmo tempo, negam a predestinação individual. Alguns apenas ignoram a inconsistência envolvida, enquanto outros a descartam com uma espécie de murmuração embaraçada [22]. A razão pela qual eles estão tão determinados a rejeitar a eleição individual é que acreditam que isso é inseparável da doutrina calvinista da eleição. Contudo, este não é o caso. O calvinismo ensina a predestinação individual, mas isso não é o que o torna calvinismo. A essência da doutrina calvinista, como observado anteriormente, é que a eleição é incondicional. O divisor de águas não é entre individual e geral, mas entre eleição condicional e incondicional. O erro calvinista é evitado afirmando a eleição condicional.

A presciência de Deus tem sido enfatizada. Deus elege indivíduos de acordo com sua presciência. Mas a pergunta pode muito bem ser feita, conhecimento prévio do que? A resposta é que ele percebe se um indivíduo irá encontrar as condições para a salvação que ele soberanamente impôs. Quais são essas condições? A condição básica e abrangente é se uma pessoa está em Cristo, ou seja, se alguém entrou em uma união salvadora com Cristo pelo qual ele compartilha todos os benefícios da obra redentora de Cristo. A quem Deus pré-conheceu estar em Cristo (“até a morte” – Apoc. 2:10), ele predestinou a ser glorificado como o próprio Jesus.

Esta é a importância de Efésios 1: 4, que diz que “Ele nos escolheu nele” – em Cristo – “antes da fundação do mundo”. Os eleitos são escolhidos em (grego: hen) Cristo, isto é, porque eles estão em Cristo; Eles não são escolhidos para (eis) Cristo, isto é, para que eles estejam em Cristo. Eles estão em Cristo antes da fundação do mundo, não na realidade, mas na presciência de Deus.

De Leroy Forlines, Classic Arminianism [23]:

O apelo de Paulo aos judeus para perceber que a eleição é individual, não corporativa.

Eu não penso que os versículos 6 -13 lidar com eleição individual; Tampouco resolvem a questão se a eleição é condicional ou incondicional. O caminho tinha sido preparado para que o foco mudasse começando no versículo 15. Antes que Paulo concluísse este capítulo, ele lida com a questão da eleição individual e a questão de se a eleição é condicional ou incondicional. Ele mostrará que a eleição é de indivíduos e que é condicional. Novamente, é importante ter em mente que Paulo está tratando com uma questão de interesse judaico, não um debate calvinista-arminiano. Uma vez que ele lida com a verdade universal, acharemos que o que ele diz é útil para lidar com as questões levantadas por calvinistas e arminianos.

Romanos 9:15 e Eleição individual.

Como o versículo 15 é introduzido por “para”, nós esperamos naturalmente um motivo ou prova na sequencia. No entanto, tal não é o caso aqui. É óbvio que o que se segue não assume a forma de um argumento que defende a retidão (ou justiça) de Deus ao não salvar todos os judeus. Como Lenski explica: “O gar não é para provar a afirmação de que não há justiça [O autor obviamente quer dizer ” injustiça “] por parte de Deus nessas promessas; O que se segue não é prova. . . . Gar, às vezes, é usado simplesmente para confirmar; Isso acontece aqui: “sim” [24].

A questão se Deus poderia ser iniquo (ou injusto) não era discutível entre Paulo e o judeu. Um poderia rejeitar tal implicação tão rapidamente quanto o outro. A diferença veio ao aplicar a verdade da justiça de Deus à questão se todos os judeus foram salvos. O que se segue no versículo 15 não é prova de que Deus não é injusto. Isso foi resolvido por uma negação enfática. O que se segue é uma ilustração da Escritura de como a ação de Deus, que não pode fazer nada errado, sustenta o princípio de que alguns, mas não todos, dentre Israel são escolhidos para a salvação. Que Paulo está apelando para a autoridade da Escritura ao invés de construir um argumento no versículo 15 encontra um amplo acordo [25].

Na citação de Êxodo 33:19, Deus disse a Moisés: ” Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia, e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão” Minha primeira observação é que o grego para” quem “(hon an) é singular. Isso coloca a ênfase na escolha do indivíduo ao invés de na eleição corporativa, como seria o caso se Deus tivesse escolhido salvar toda a semente da Aliança de Abraão. “Como Picirilli explica: “Mesmo no deserto, quando pudéssemos pensar que toda a nação teve automaticamente direito ao Seu favor, Ele disse:” Eu mostrarei misericórdia para quem eu quiser mostrar misericórdia “. Deus queria estabelecer claramente que “nem Moisés nem Israel tinham qualquer reivindicação especial sobre Ele anulando seu direito soberano de agir como Ele escolheu. Ele também não mostrará misericórdia para com todos eles apenas porque eles eram israelitas na carne “[26].

Como isso se relaciona com o tratamento de Paulo aos indivíduos em Romanos 9: 15-21, Thomas R. Schreiner chama a atenção para o uso do singular nestes versos. Ele explica que hon, a palavra para quem, é singular. Assim, a passagem está falando de “indivíduos específicos sobre os quais Deus tem misericórdia”. Schreiner também observa que o singular ocorre “na referência que Paulo extrai de Romanos 9:15, e em 9:16. A misericórdia de Deus não depende de “quem deseja, nem daquele que corre”. A conclusão para todos de 9: 14-17 e em 9:18 utiliza o singular mais uma vez: “Deus tem misericórdia de quem Ele quiser ter misericórdia , E ele endurece quem ele quiser endurecer.” ” Paulo continua esse pensamento em Romanos 9:19 e 21: “Quem (tis) resiste a sua vontade?” [9:19.] E Paulo usa o singular quando fala de um vaso sendo feito para honra e outro para desonra (9:21)”[27]. Isso milita contra exegetas que argumentam que Paulo está usando linguagem corporativa e não individual para falar sobre eleições em Romanos 9.

Concordo plenamente com Schreiner que a eleição nestes versículos está falando de eleição individual. Concordo com tudo o que ele diz na citação acima, mas eu não o acompanho na eleição incondicional. No entanto, não acho que essa questão seja resolvida até este ponto no capítulo. Não será resolvido até chegar aos versículos 30-33.

 

[1] Robert E. Picirilli, Grace, Faith, Free Will: Contrasting Views of Salvation, Calvinism and Arminianism (Nashville: Randall House, 2002).

[2] Robert W. Shank, Elect in the Son (Springfield, Mo.: Westcott, 1970), 45.

[3] H. Orton Wiley et al., “The Debate over Divine Election,” Christianity Today (Oct. 12, 1959), 3.

[4] Mildred Bangs Wynkoop, Foundations of Wesleyan-Arminian Theology (Kansas City: Beacon Hill, 1967), 53.

[5] Paul K. Jewett, Election and Predestination (Grand Rapids: Eerdmans, 1985), 47.

[6] Richard Watson, Theological Institutes (New York: Nelson and Phillips, 1850), 2:337.

[7] A. Skevington Wood, “The Declaration of Sentiments: The Theological Testament of Arminius,” Evangelical Quarterly 65:2 (1993), 121.

[8] Jack Cottrell, “Conditional Election,” in Grace Unlimited, ed. Clark Pinnock (Minneapolis: Bethany, 1975), 57-58.

[9] Jack Cottrell, “Conditional Election,” in Grace for All: The Arminian Dynamics of Salvation, ed. John Wagner and Clark Pinnock (Eugene, OR: Resource, 2015), 77-81.

[10] H. Orton Wiley et al., 3.

[11] Ibid., 5.

[12] Wynkoop, 14.

[13] Ibid., 30,31.

[14] Ibid.,53.

[15] Shank, 45.

[16] Ibid., 50, 55.

[17] Ibid., 122. Veja também William Klein, The New Chosen People (Eugene, Ore.: Wipf and Stock, 2001)

[18] Veja Jack Cottrell, “Conditional Election,” The Seminary Review, XII (Summer 1966), 57–63; also, Cottrell, “The Predestination of Individuals,” Christian Standard, CV (Oct. 4, 1970), 13-14.

[19] O plano, é claro, é predeterminado por Deus. Isso se aplica tanto à obra redentora de Cristo (Atos 4:28) quanto ao estabelecimento da igreja. Mas este não é o ponto da predestinação para a salvação.

[20] A maioria dos calvinistas tenta evitar as implicações claras da presciência de Deus, mudando o significado de “pré-conhecer” para “pré-amar” ou algo parecido. A ideia de cognição é subordinada a algum outro conceito. Por exemplo, Roger Nicole diz: “As passagens que tratam da presciência não são de todo difíceis de integrar, na medida em que o termo presciência nas Escrituras não tem meramente a conotação de informação antecipada (que o termo geralmente tem na linguagem não-teológica), mas indica a escolha especial de Deus juntamente com o amor “(H. Orton Wiley e outros,” Debate Over Divine Election “, 16). Esta é uma definição arbitrária, no entanto, não é consistente com o uso do termo em Atos 2:23, onde pode significar não mais do que presciência. Veja Samuel Fisk, Election & Predestination: Keys to a Clearer Understanding (Eugene, Ore.: Wipf and Stock, 1997), 71–82.

[21] Calvino reconheceu que esta era a visão dos primeiros pais da igreja, e até mesmo de Agostinho por um tempo. Mas ele sugere que “imaginemos que esses pais estão em silêncio” (Institutas, 3.22.8). Berkouwer observa que “Bavinck foi longe chamando isso de solução” geral “, pois é aceita pelas igrejas ortodoxas grega, católica romana, luterana, remonstrantes, batista e metodista” (Berkouwer, Divine Election, 37).

[22] Por exemplo, Wiley se opõe a aplicar a predestinação aos indivíduos, mas admite que Deus tenha presciência de quem crerá em Cristo (Wiley e outros, “Debate Over Divine Election”, 5, 15). O tratamento de Shank sobre a presciência é intrigante: “Assim, é evidente que as passagens que postulam a presciência e a predestinação devem ser entendidas como tendo uma estrutura de referência primariamente o corpo coletivo do Israel de Deus e, secundariamente, indivíduos, não incondicionalmente, mas apenas em associação e identificação com o corpo eleito. . . . “(Shank, 154). É como se a eleição corporativa fosse o oposto de eleição incondicional. Além disso, Shank diz que “se Deus conheceu ativamente cada indivíduo – tanto os eleitos como os réprobos – pode continuar sendo uma questão discutível. A doutrina bíblica da eleição não exige tal presciência partícula eficiente, pois a eleição é principalmente corporativa e objetiva e apenas secundariamente individual. As passagens que apresentam presciência e predestinação dos eleitos também podem ser entendidas de uma maneira como de outra “(Ibid., 155).

[23] F. Leroy Forlines, Classical Arminianism: A Theology of Salvation (Nashville: Randall House, 2011), 129-31.

[24] R. C. H. Lenski, The Interpretation of St. Paul’s Epistle to the Romans (Minneapolis: Augsburg Publishing House, 1961), 606-607. No livro, a palavra é justiça e não injustiça, mas é óbvio que Lenski quis dizer injustiça.

[25] Veja H. P. Liddon, Explanatory Analysis of St. Paul’s Epistle to the Romans (1892; reprinted, Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1961) 162-63. See also Shedd, Commentary on Romans, 288.

[26] Robert Picirilli, The Book of Romans (Nashville: Randall House Publications, 1975), 183.

[27] Thomas R. Schreiner, “Does Romans 9 Teach Individual Election unto Salvation?” in The Grace of God, the Bondage of the Will, vol. 1, eds. Thomas R. Schreiner and Bruce A. Ware (Grand Rapids: Baker Books, 1995), 99.

FONTE

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s